• Nativa FM

Contribuintes com débitos na Agems podem aderir ao Refis até 31 de janeiro

Atualizado: 24 de jan.


A oportunidade de regularização a pessoas físicas ou empresas que têm débitos com a Agência Estadual de Regulação de Serviços Públicos (Agems) vai até o dia 31 de janeiro de 2022. Devedores poderão fazer a quitação com isenção total dos juros e multas pagando à vista. Existe também a opção de


parcelar a dívida, contando com desconto sobre multas e juros. Clique aqui para saber fazer a adesão.


O benefício pode ser requerido para débitos relativos a fatos geradores ocorridos até o dia 17 de dezembro de 2021, quando foi publicada a Lei nº 5.811, que dispõe sobre formas excepcionais de regularização de créditos tributários e não tributários no âmbito da Agência Estadual de Regulação de Serviços Públicos. "A Agência Reguladora está oferecendo essa oportunidade, que vale para quem tem dívidas relativas a taxas e também para quem deve valores de multas punitivas que foram aplicadas”, explica o diretor-presidente Carlos Alberto de Assis. “É importante o devedor procurar a Agência, requerer o benefício e regularizar sua situação”.


Para transportadores regularizados, o link do Refis também está disponível na área de serviços do site, acessada com login e senha.


Condições e Adesão

  • O Refis oferece diferentes condições para quem pretende aderir à negociação.

  • Pagamento à vista: redução de 100% de juros e multas.

  • Pagamento em 2 ou até 60 parcelas: redução de 75% dos juros de mora e multa moratória.

  • Pagamento em 61 ou até 120 parcelas: redução de 50% dos juros de mora e multa moratória

  • Para o parcelamento, é necessário que o valor da parcela inicial e o valor de cada parcela mensal seja de, no mínimo, R$ 1.000,00.

  • Para aqueles cujos débitos ainda estão no âmbito da Agência, basta preencher o formulário de Requerimento de Adesão ao Refis disponível no site www.agems.ms.gov.br. Nos casos em que o débito já foi para inscrição em Dívida Ativa, é preciso fazer o requerimento direto à Procuradoria Geral do Estado (PGE).

Com informações do portal Idest.

1 visualização0 comentário